Programação

1ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL [SSEX BBOX] & MIX BRASIL DE SÃO PAULO

Em tempos de intolerância, alguns caminhos possíveis são a informação e a união: precisamos nos instruir e nos juntar para resistir e oferecer conhecimento contra o conservadorismo machista, sexista, racista, misógino e LGBTfóbico. O compromisso do [SSEX BBOX] é criar espaços, físicos e virtuais, que democratizem o acesso à informação, estimulem um diálogo aberto, que permitam que as pessoas descubram mais sobre si mesmas e seus desejos. O [SSEX BBOX] é um projeto de justiça social que busca oferecer perspectivas plurais sobre sexualidade e gênero a partir do relato das experiências de pensadorxs, educadorxs, ativistas, artistas e outras pessoas que vivem, aprendem e amam ‘fora da caixa’. Tem como temas principais a diversidade sexual e de gênero, o sex positive e promove ações nas cidades de São Paulo, São Francisco, Berlim e Barcelona.

Terça Feira 17.11.2015

ABERTURA | 10h – Sala Jardel Filho

LUZ, CÂMERA, AÇÃO!

Buck Angel 
João Federici

Laerte Coutinho
Priscilla Bertucci

 

Apresentar o [SSEX BBOX] e a parceria com o Mix Brasil, dar as boas-vindas as participantes da Conferência e apontar a importância de trazer o tema diversidade sexual à tona.

MESA 01 | 10h20 – Sala Jardel Filho

 

DIREITOS SEXUAIS HUMANOS

Márcia Rocha
Alessandro Melchior
Soninha Francine

Mediador: Vanessa Vieira

Discutir questões de direitos humanos, relativas às instâncias federal e estadual, para a análise e definições de estratégias de políticas para a população LGBTQIA.

MESA 02 | 13h – Sala Jardel Filho

PRA COMEÇO DE CONVERSA

Luiza Coppieters
Heloisa Alves
Mediador: Maya Foigel

Apresentar para toda a sociedade aquelxs que compõem a comunidade LGBTQIA, desmistificar a ditadura heteronormativa em que vivemos e discorrer sobre conceitos importantes, como corpo (genitais), orientação sexual, papel e identidade de gênero.

MESA 03 | 16h – Sala Jardel Filho

PINGOS NOS IS : A INCLUSÃO RADICAL E A COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA

Luana Hansen
Danilo Dabague
Debora Baldin
Matte Schneider
Michelle Bittencourt
Nathalia Caldeira
Mediadores:
Sandra Caselato
Yuri Haasz
Pri Bertucci

Apresentar para toda a sociedade aquelxs que compõem a comunidade LGBTQIA, desmistificar a ditadura heteronormativa em que vivemos e discorrer sobre conceitos importantes, como corpo (genitais), orientação sexual, papel e identidade de gênero.

RODA DE CONVERSA 01 | 18h30 – Sala 2

REGULAÇÕES BIOMÉDICAS SOBRE OS CORPOS FORA DA NORMA

Daniela Murta
Gabriel Rocha Villaça
Maya Foigel
Michele Bittencourt
Paula Sandrine Machado
Mediador: Barbara Dalcanale Menêses

Despatologização das Identidades Trans, Travestis e intersexo. Discussão transdisciplinar acerca do atual ‘Protocolo Transexualizador’ – discussão das implicações do modelo biomédico nos corpos abjetos.

Quarta-feira 18.11.2015

MESA 04 | 10h – Sala Adoniran Barbosa

CONEXÃO SÃO PAULO-BAY AREA

Carol Queen
Claire Rumore
Daniel Sea
Miss Ian Librarian
Priscilla Bertucci
Tradutor: Maria Botto de Barros

Roda de conversa com representantes da Bay Area (área composta por São Francisco, Berkeley e Oakland), onde se encontra a sede do [SSEX BBOX], sobre os aspectos culturais, sociais e políticos, que sempre foram sinônimos de liberdade.

A Bay Area foi palco de revoluções culturais, cujos ideais se expandiram pelo mundo, e sua repercussão ainda se mostra presente, como o “Verão do Amor”, em 1967, ou a luta pelo direitos LGBT na figura de Harvey Milk no castro ; a Revolução sexual em Berkeley ou Black Panters em Oakland, além de tantos outros que deram voz às minorias.

Talvez tenha sido esta mentalidade aberta que tornou esta região um “porto-seguro”, um ambiente de acolhimento para intelectuais, artistas e pessoas que se sentiam incompreendidos ou deixados à margem da sociedade, fazendo com que a Bay Area se tornasse um espaço propício para a cultura queer, o sex positive (‘positividade em relação ao sexo’, em tradução livre) e o amor livre, possibilitando com que esses temas se desenvolvessem.

PALESTRA 01 | 10h – Sala Jardel Filho

VIOLÊNCIA DO COMEÇO AO FIM: LAÇOS PERVERSOS ENTRE IMAGINÁRIO, REAL E A QUESTÃO DO FEMINICÍDIO

Dra. Marcia Tiburi
Mediador: Bruna Malaquias

Das tragédias gregas ao cinema contemporâneo, passando pela história da pintura e da literatura, podemos perceber um modo específico de tratar a morte de mulheres. Como personagens, muitas vezes elas aparecem apenas mortas e/ou constantemente marcadas para morrer. Nada é por acaso em se tratando desses enredos. Os discursos escrito e imagético são da ordem da lei. Ou seja, configuram um “dever ser”. Amparam a realidade e ao mesmo tempo a produzem e reproduzem. Se não podemos dizer que a arte imita a vida ou que a vida imita a arte – em se tratando da constante cultural que é a morte das mulheres – há algumas curiosidades que nos levam a perguntar o por que essa “poética macabra” em relação aos corpos femininos combina tão bem com a realidade? A representação da violência incita a violência? Ela a legitima? Durante a palestra, serão analisados alguns filmes para refletirmos sobre o que eles estão querendo nos dizer.

MESA 05 | 13h – Sala Adoniran Barbosa

TRANSFEMINISMO

Inês Castilho
Dra. Jacqueline de Jesus
Luciano Palhano
Viviane V.
Mediador: Helena Vieira

Discutir a visão do que é ser mulher pela perspectiva do patriarcado e tentar abordar todas as possibilidades de ser mulher trans. Discutir o transfeminismo, um tema cada vez mais comentado nas redes sociais e em quaisquer eventos relevantes no campo do gênero, da diversidade sexual e dos feminismos. Entretanto, tudo a que os comentários se referem pode, de fato, ser considerado transfeminista? Qualquer discurso sobre a população transgênero é transfeminista? Transfeminismo é um assunto que se refere às pessoas cisgênero (que não são trans)?

MESA 06 | 16h – Sala Adoniran Barbosa

IDEOLOGIA DE GÊNERO E ESTATUTO DA FAMÍLIA

João Silvério Trevisan
Laerte Coutinho
Luis Saraiva
Majú Giorgi
Mediador: Márcia Rocha

Entender o conceito de “ideologia de gênero” e o discurso que apoia o estatuto da família.

Quinta-feira 19.11.2015

MESA 07 | 10h – Sala Adoniran Barbosa

PARA LÁ DO BINARISMO

Carol Queen
Daniela Sea
Éris Alice
Miss Ian Librarian
Tradutor: Maria Botto de Barros
Mediador: Viviane V.

Explorar as identidades de gênero não-binárixs e suas pluralidades: gênero queer,gênero fluído e gênero neutro. Muito tem se discutido sobre a necessidade de um pronome de gênero neutro em português, uma língua de caráter binário. É uma realidade concreta que deve ser reconhecida verbalizada para uma forma de existir em nossa língua, visando ampliar as discussões acerca do pronome de gênero preferido (PGP).

MESA 08 | 10h – Sala Jardel Filho

EMPRESAS INCLUSIVAS

Adriana Ferreira
Márcia Rocha
Jean Claude H. Nys
Tlacaelel Benavides
Mediador: Daniel Mori

Apresentar e discutir questões inerentes à como aprimorar as práticas de gestão das empresas e influenciar o meio empresarial e a sociedade para a adoção de práticas de respeito aos direitos humanos LGBT.

MESA 09 | 13h – Sala Adoniran Barbosa

NOVOS PARADIGMAS DO DIREITO BRASILEIRO

Alessandra Benedito
Carolina Gerassi
Patricia Brasil
Mediador: Magô Tonhon

Apresentar e discutir alguns caminhos jurídicos para a garantia de direitos da população LBTQIA dentro do atual cenário político.

PALESTRA 02 | 13h – Sala Jardel Filho

CONVERSA COM DANIELA SEA

Daniela Sea
Tradutor: Maria Botto de Barros

Ativista LGBTQI, cineasta e atxr, atua no cinema, na performance e na música. Aos 16 anos, saiu de casa em busca de maneiras diferentes, e próprias, de estar no mundo – jornada que levou, por exemplo, à experiência de viver como um homem durante seis meses na Índia. A fama veio por papéis como o do homem transexual Moira/Max Sweeney, no seriado de TV The L Word, do canal Showtime, e também pela participação no filme Shortbus (2006), do diretor John Cameron Mitchell – também criador de Hedwig – Rock, Amor e Traição (2001). Em 2011, retomou a parceria com Mitchell no curta-metragem Lady Dior, produzido para a grife francesa Christian Dior. Ainda no cinema, trabalha atualmente na produção de um filme e de um documentário. Em colaboração com o músico Will Schwartz (das bandas Imperial Teen e Hey Willpower), apresenta-se em galerias, teatros e museus em Los Angeles. Também criou e atua na peça “beach, a.k.a. untitled”, que explora o movimento de migração e a questão de gênero por meio da música, do cinema e da performance ao vivo.

PALESTRA 03 | 16h – Sala Adoniran Barbosa

A HISTÓRIA E O FUTURO DA IDENTIDADE QUEER

Dra. Carol Queen
Tradutor: Maria Botto de Barros
Mediador: Márcia Rocha

O que ser queer? Quem é queer? O que significa identificar-se queer? E como esse termo surgiu para se tornar uma identidade sexual? A Dra. Carol Queen, sexóloga cultural de San Francisco, .PhD em sexualidade humana, autora, editora, socióloga, sexóloga e educadora ativa no movimento feminista sex-positive nos Estados Unidos, é uma das mais importantes ativistas na causa pelos direitos da comunidade queer e dos profissionais do sexo – trabalho que desenvolve desde os anos 1970, quando também foi uma das principais responsável pela inclusão dos indivíduos bissexuais, como uma identidade positiva, dentro da sigla LGBT.

Ela vai traçar a história da palavra queer, dessa identidade sexual e dessa comunidade. A especialista examinará como a visibilidade emergente da cultura queer impactou as políticas da orientação sexual, de identidade de gênero e de identidades políticas. Dra. Queen é uma ativista e acadêmica na comunidade americana LGBTQIA desde 1975. Formada em sociologia e sexologia, a PhD fala com frequência sobre cultura sexo-positiva e diversidade sexual em universidades e conferências internacionais. Dra. Queen é co-fundadora do Center for Sex and Culture (São Francisco) e trabalha como sexóloga na Good Vibrations, sex shop fundada por feministas.

WORKSHOP 01 | 18h30 – Sala 2

INTEGRAÇÃO DE DUALIDADES E CONTRADIÇÕES

Claire Rumore
Tradutor: Maria Botto de Barros

Nós não podemos transcender para fora o que não amamos por dentro – curar as feridas em nós mesmos para ajudar a curar as feridas que vivenciamos no mundo. Vivemos em um tempo de fúria e caos, cheio de julgamentos, desentendimentos e agressões. No entanto, os grandes mestres espirituais dizem: “as Within, so Without” (“assim na terra, como no céu”, em tradução livre). Isso significa que o que vemos fora de nós mesmos é apenas um reflexo do que está acontecendo por dentro. Nessa conversa vamos compartilhar insights e exercícios sobre como podemos curar e integrar as separações (polaridades) em nós mesmos, para que possamos ter mais paz interna – se o “as Within, so Without” se comprovar, então a auto-cura permitirá que sejamos curadorxs do mundo e criemos a paz que buscamos fora de nós.

Sexta-feira 20.11.2015

20 de Novembro

DIA de COMEMORAÇÃO TRANSGÊNERO #TDOR

O dia da comemoração transgênero (TDOR), que acontece anualmente cada 20 de novembro, é uma homenagem anual à memória daquelxs cujas suas vidas foram terminadas em atos de violência transfóbica.

20 de Novembro

DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA, DE LUTA E RESISTÊNCIA, É CELEBRADO!

O Dia Nacional da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares, e reivindica essa figura histórica como símbolo de resistência.

MESA 10 | 10h – Sala Adoniran Barbosa

DIVERSIDADE NA MÍDIA: AVANÇOS E DESAFIOS

Helena Vieira
Laerte Coutinho
Jéssica Tauane
Thammy Miranda
Mediador: José Augusto Porto

Discutir a representatividade e a não-representatividade de diversidade na mídia brasileira. Abordaremos a recorrência de estereótipos nessa relação e discutiremos as oportunidades e desafios que vem com as novas tecnologias e mídias sociais.

MESA 11 | 13h – Sala Adoniran Barbosa

TRANS DIGNIDADE E RESPEITO

Ângela Lopes
Cris Stefanny
Renata Peron
Symmy Larrat
Mediador: Maitê Schneider

Propiciar um diálogo entre Estado e Movimento Social por meio da campanha “Sou Trans, Quero Dignidade e Respeito”.

MESA 12 | 16h – Sala Adoniran Barbosa

DESCOLONIZAÇÃO DOS CORPOS & QUEER NORMATIVO

J. Mombaça
Marissa Lobo
Sueli Feliziani
Tatiana Nascimento
Mediador: Helena Vieira

Discutir sobre o processo de colonização e descolonização de corpos, mentes e corações. Propor reflexão sobre as políticas, práticas corporais, estudos kuir/queer descoloniais e dissidência sexual. Celebraremos o Dia Nacional da Consciência Negra!

WORKSHOP 02 | 18h30 – Sala de Ensaio 1

BUCK ANGEL ~ SEXING THE TRANSMAN

Buck Angel
Tradutor: Maria Botto de Barros

Buck Angel compartilha sua história em movimento, sua vida pessoal e o processo de sua transição de gênero de feminino para masculino, questionando a noção sobre o que faz alguém um homem ou uma mulher. Ele descreve como ele mudou a partir de um indivíduo infeliz e desconfortável, a uma pessoa que tem orgulho de seu corpo e sexualmente confortável (sem alterações cirúrgicas no seu órgão genital). Buck lida com o caminho para ser homem trans. A sua mensagem de auto-aceitação vai além dos gêneros e genitais: é um caminho de cuidado e amar-se a si mesmo.

Sábado 21.11.2015

MESA 13 | 10h – Sala Jardel Filho

TRANSMASCULINIDADES

João W. Nery
Erick Barbi
Leo Moreira
Simone Ávila
Mediador: Ilana Mountian  

Apresentar e discutir questões inerentes à transmasculidades e a emergência de homens trans no movimento de travestis e transexuais no Brasil . Um diálogo entre Identidades de Gênero e suas subjetividades.

WORKSHOP 3 | 10h – Sala 2

RODA DE PARTILHAS – ATIVIDADE VIVENCIAL

Viviany Beleboni
Priscilla Bertucci Facilitadores: Sandra Caselato
Yuri Haasz

Círculo da verdade – honrando nossa dor numa roda ritual de partilhas.

Este é um tempo escuro cheio de sofrimento, conforme os sistemas antigos e as certezas prévias desmoronam. Como células vivas em um corpo maior, nós sentimos o trauma de nosso mundo. É natural e mesmo saudável que o façamos, porque isto mostra que ainda estamos vitalmente conectados à teia da vida. Então, não tenha medo da tristeza que você poderá sentir, ou da raiva ou medo: estas respostas surgem não de uma patologia particular, mas das profundezas do nosso pertencimento mútuo. Reverencie sua dor pelo mundo quando ela se fizer sentir, e a honre como testemunha de nossa interconectividade.

Quando aprendemos a ouví-los, descobrimos que nossa dor pelo mundo e nosso amor pelo mundo são a mesma coisa. E isto nos faz mais forte, e nos ajuda a descobrir a confiança em nós mesmos e nos outros.

PALESTRAS 04 | 13h – Sala Adoniran Barbosa

DIALOGANDO COM BUCK ANGEL

Buck Angel
Mediador: Tatiana Lionço Tradutor: Marta Botto de Barros

Encontro com um grande ícone da cultura LGBTQIA, homem transexual que irá compartilhar sua história de vida e abordar questões de identidade de gênero, sex-positivity e políticas da orientação sexual. Buck é produtor de filmes adultos, militante, palestrante, educador e escritor. Como não teve o desejo de se submeteu à cirurgia de redesignação sexual, criou um nicho único, chamando a si mesmo de “o homem com vagina”.

MESA 14 | 16h – Sala Adoniran Barbosa

ANÁLISE DA CONJUNTURA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS DE RESISTÊNCIA

Indianara Siqueira
Jean Wyllis
Tatiana Lionço
Symmy Larrat
Mediador: Beto de Jesus

Analisar o atual cenário político no Brasil no que se refere aos direitos humanos, com ênfase nos direitos sexuais e reprodutivos, a fim de traçar estratégias coletivas de resistência aos retrocessos e afirmação destes direitos.

Domingo 22.11.2015

MESA 15 | 10h – Sala Adoniran Barbosa

SEXUALIDADE, CULTURA E RELIGIÃO

Du Meinberg Maranhão
Sergio Viula
Tatiana Lionço
Viviany Beleboni
Mediador: Fabio Figueiredo (Fabito)

Avaliar o papel do Estado laico na definição de políticas públicas e ações governamentais para a garantia dos direitos sexuais e direitos reprodutivos, bem como refletir sobre a “cura gay”. Em diferentes culturas, a religião tem sido usada como um dos principais instrumentos ideológicos para normalização da sexualidade e controle dos corpos.

Com recorte no cristianismo em suas variadas denominações, as normas que regulam as relações das pessoas e de seus corpos, valorizando a castidade, desqualificam práticas sexuais que não tenham como objetivo a reprodução, reprimindo e desumanizando pessoas que vivam sua sexualidade de qualquer outra forma que fuja aos padrões estabelecidos como “naturais”.

MESA 16 | 10h – Sala Jardel Filho

PROFISSIONAIS DO SEXO

Amara Moira
Indianara Siqueira
Monique Prada
Mediador: Jorge Leite Jr.

Empoderamento das vozes dos profissionais do sexo, um espaço de partilha de experiências diversas através de breves apresentações e trocas de experiências entre as participantes e o público.

Como pensar maneiras de combater de forma eficaz o tráfico de pessoas, tipificando a exploração sexual ao mesmo tempo em que se regulamentariza a profissão da prostituição – discussão do Projeto de Lei Gabriela Leite.

Profissionais do sexo e os pesquisadores irão partilhar as suas experiências de iniciativas de combate ao tráfico, destacando as melhores práticas para tal, bem como os efeitos prejudiciais de iniciativas bem-intencionadas.

MESA 17 | 13h – Sala Adoniran Barbosa

FALA QUE EU TE ESCUTO!

Plateia Facilitadorxs:
Sandra Caselato
Yuri Haasz

Fechamento da 1ª CONFERÊNCIA INTERNATIONAL [SSEX BBOX] & MIX BRASIL DE SÃO PAULO, com espaço aberto para expressão do público.