COLUNA

Suelma Rosa

[ELA/DELA]

Diretora Sênior de Reputação e Assuntos Corporativos para América Latina na Unilever

Com amor, dedicação e coragem

Acomunicação será veículo de inclusão absoluta.

A humildade de desaprender tudo que for necessário para transformar o mundo em um lugar seguro e inclusivo para todes exige amor, dedicação e coragem. Amor para avançarmos nas transformações necessárias à formação de uma sociedade global absoluta, radical e abrangentemente inclusiva. Dedicação para trazer à consciência todos os vieses social e historicamente construídos, questionar o status quo, desconstruir aquilo que, às vezes, reconhecemos como nossa essência e desaprender sempre que necessário. Coragem para enfrentar as sombras dos nossos preconceitos ancestralmente constituídos.  

Na escola, aprendemos que a gramática normativa é inquestionável. A ortografia, a sintaxe, as métricas e as regras nos foram impostas. Não recebemos estímulo ao pensamento crítico. Não tivemos contato com a gramática histórica e sua evolução ao longo da história. Não fomos instigados a questionar as relações de poder e a hierarquização social existentes na separação entre a língua formal, dita culta, e a linguagem oral, das ruas, por muitos ainda considerada errada. Se quer nos foi contato que existia a linguística como campo da ciência que estuda os fatos da linguagem. Como ninguém nos contou nada disso, também não sabemos quem foi Ferdinand de Saussure, linguista suíço, que funda esse campo do conhecimento no século XX. 

 E qual a importância da linguística para a promoção da inclusão?   

A linguística, ao se dedicar à observação dos fatos da linguagem, permitiu que nós nos abstivéssemos cientificamente do lugar de definir regras e normas, em nome de certos princípios estéticos ou morais. Nos quase 100 mil anos de história da linguagem humana, a maneira como nos expressamos carrega forte conteúdo histórico, econômico, político, social e moral, representando um contexto cultural datado. Se a língua está em constante evolução e permanente mutação, é tempo de adaptarmos a maneira que nos comunicamos para promover uma inclusão radical de toda a pluralidade humana. 

Você tem coragem de se somar a mim nessa jornada de desaprendizado para abraçarmos e acolhermos todes por meio da comunicação inclusiva? 

Saiba mais sobre esse assunto aqui!

COLUNISTA

Suelma-Rosa

Suelma Rosa

[ELA/DELA]

Diretora Sênior de Reputação e Assuntos Corporativos para América Latina na Unilever e Co-fundadora e Membro do Conselho Impulsinador da Women in Government Relations. Suelma é professora da Escola Aberje de Comunicação, Doutora no Departamento de Ciência Política da Universitè Paris I: Pantheòn – Sorbonne, Mestre em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília, MBAs em Estratégia empresarial e Gestão de Projetos pela FGV, Especialista em Negociação e Gestão de Conflito pelo Harvard Negotiation Institute e Bacharel em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília, coordenou cursos de graduação em Relações Internacionais em Brasília e leciona em programas de graduação e pós-graduação desde 2005 no Brasil e exterior. Em 20 anos de carreira, atuou no Governo Federal brasileiro na área de Comércio e Negociações Internacionais, servindo em países como China, Índia, Japão e Suíça. Liderou estratégia de advocacy de Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Meio Ambiente, Infraestrutura e Compras Públicas em ONG Internacional e nas Nações Unidas em Convenções e Tratados Internacionais, bem como nos marcos normativos nacionais de países da América Latina e Caribe.
Veja também

Bias in, bias out

Quando mecanismos de defesa atrapalham

Transcendendo Barreiras

Cura

Assista

No Instituto [SSEX BBOX] realizamos projetos e advocacy que visam destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Nossas atividades tiveram início em 2011, a partir de uma série de webdocumentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Nosso Contato

Copyright ©2024 Todos os direitos reservados | [SSEX BBOX]