COLUNA

Pri Bertucci

[ILE/DILE & ELE/DELE]

Artista social, educadore e pesquisadore da área de diversidade há pelo menos duas décadas

Dia Internacional da Memória Trans (TDoR)

Uma Reflexão Sobre a Luta e a Memória

O Dia Internacional da Memória Trans, lembrado anualmente em 20 de novembro, é uma data dedicada à memória daquelas pessoas da comunidade trans e travesti que foram vítimas de uma realidade brutal e muitas vezes invisível. Este dia é um momento de reflexão e luto, mas também de conscientização e resistência. Ele simboliza não apenas a lembrança das pessoas que perderam suas vidas devido ao ódio e à intolerância, mas também destaca a urgência contínua de lutar por um mundo onde a dignidade e o respeito pela diversidade de gênero sejam inquestionáveis. A cada ano, o TDoR nos lembra das histórias não contadas, das vidas interrompidas prematuramente e da necessidade imperiosa de enfrentar a transfobia em todas as suas formas, buscando justiça e igualdade para todos, independentemente de sua identidade de gênero.

Trans Murder Monitoring
A Violência Contra Pessoas Trans 

O Trans Murder Monitoring (TMM), uma iniciativa colaborativa entre a Transgender Europe (TGEU) e a revista acadêmica Liminalis, representa um esforço vital para trazer à tona a realidade sombria enfrentada por pessoas trans e de gênero diverso em todo o mundo. Desde seu início em abril de 2009, o projeto tem se dedicado a coletar, monitorar e analisar sistematicamente os assassinatos dessa comunidade globalmente.

Método de Coleta de Dados:

O TMM reúne informações através de uma rede de ativistas locais e organizações parceiras, além de pesquisas na internet. Esses dados, embora representem apenas os casos notificados, lançam luz sobre a extensão e natureza da violência contra pessoas trans e de gênero diverso.

Dia Internacional da Memória Trans (TDoR):

Anualmente, no dia 20 de novembro, a TGEU atualiza e publica os dados coletados pelo TMM. Essa data, marcada como o TDoR apresenta dados entre 1º de outubro a 30 de setembro de cada ano, oferecendo uma visão crucial da violência enfrentada pela comunidade trans durante esse tempo.

Contribuições da Rede Trans Brasil:

Desde 2016, a Rede Trans Brasil tem sido uma colaboradora chave do projeto TMM. Sob a liderança da professora Sayonara Nogueira, secretária de comunicação da organização, a Rede Trans Brasil desenvolveu metodologias de monitoramento de violência, participando de capacitações internacionais com a TGEU e compartilhando informações cruciais sobre a situação no Brasil.

O relatório mais recente encerrado duas semanas antes do TDoR de 2023, identificou aproximadamente 100 assassinatos de pessoas trans de 1º de outubro de 2022 a 30 de setembro de 2023, um aumento em relação ao ano anterior. Estes números, embora alarmantes, são provavelmente uma subestimação da realidade, devido à subnotificação e à falta de reconhecimento oficial em muitos países.

A Realidade da Violência:

Além dos assassinatos, a comunidade trans enfrenta uma variedade de violências, incluindo extorsão, agressões físicas e sexuais. Este panorama reforça a urgência de políticas públicas eficazes e de uma mudança social profunda para proteger e respeitar as pessoas trans e de gênero diverso.

O trabalho do TMM e de organizações como a Rede Trans Brasil é fundamental para trazer visibilidade e conscientização sobre a violência contra pessoas trans. O TDOR nos lembra da necessidade contínua de lutar contra o preconceito, a discriminação e a violência de ódio, buscando um mundo mais justo e inclusivo para todes.

COLUNISTA

pri

Pri Bertucci

[ILE/DILE & ELE/DELE]

Artista social, educadore e pesquisadore da área de diversidade há pelo menos duas décadas. Identifica-se como pessoa não branca, não cis, não binária, transgênero /gender queer. É CEO da [DIVERSITY BBOX] consultoria; fundadore do Instituto [SSEX BBOX], projeto pioneiro no tema de justiça social; cocriadore do “Sistema Ile”, mais conhecido como linguagem neutra na língua portuguesa. Pri também é produtore executivo da Marcha do Orgulho Trans de São Paulo, e inovou em 2023 quando criou a primeira AI não binária do mundo.
Veja também

Pós-ativismo e reapropriação Cultural 

Pelo direito à banalidade e ao erro

Venha de Verde amarelo na Marcha do Orgulho Trans de São Paulo

Convite à uma crítica das identidades

Assista

No Instituto [SSEX BBOX] realizamos projetos e advocacy que visam destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Nossas atividades tiveram início em 2009, a partir de uma série de webdocumentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Nosso Contato

Copyright ©2024 Todos os direitos reservados | [SSEX BBOX]