van___user_v2

COLUNA

Van Marcelino

[ILE/DILE]

Pessoa não binária e queer. Artista Visual com Especialização em Editorial e Infografia pelo IED

Poliamor Espiritual

Tradução e adaptação para português por Van Marcelino 
Baseado no Livro Spiritual Poliamory de Mystic Life

Refletindo as relações sociais, decidi traduzir esse texto sobre a não monogamia de 2011 da revista [SSEX BBOX]. Tenho percebido a importância da descoberta e desconstrução de paradigmas sociais, porém ainda percebo que cada pessoa está tentando reconhecer seu próprio pertencimento nessa jornada de conexão espiritual. Espero que esse texto possa ajudar e trazer nitidez nesse processo. 

Eu costumava acreditar que o mundo seria um lugar melhor se todas as pessoas fossem poliamorosas. Eu adorava imaginar uma sociedade utópica em que não houvesse ego, medo e feridas da infância. No entanto, aprendi que é importante reconhecer onde está o conforto de alguém, especialmente no que diz respeito a como se deseja experimentar a intimidade nos relacionamentos.

Eu costumava acreditar que as pessoas estariam se beneficiando a si mesmas e ao crescimento de seus parceiros se avançassem no poliamor, apesar de quaisquer medos pessoais. No entanto, posso ver agora que meu desejo de ser poliamoroso estava muito mais presente para mim. Esse desejo por poliamor tornava o desejo de estar com outras pessoas urgente. Percebi que é importante levar em consideração os sentimentos e o ritmo do meu parceiro.

Sugiro que qualquer pessoa que deseje ter clareza sobre seu caminho para o poliamor pergunte a si mesma: “Existe algum assunto inacabado com minha família, amigos ou outras pessoas no meu passado e, se essas pessoas ainda estiverem vivas, sou corajoso o suficiente para trazer?”

Em nosso mundo socializado de rituais como aniversários e feriados, é tentador evitar trazer à tona quaisquer mágoas do passado porque queremos tornar as coisas confortáveis. Em uma cultura em que o Facebook está se tornando cada vez mais popular, é tentador “diluir” o que compartilhamos a ponto de ninguém em nossa “rede” se sentir desconfortável. No entanto, se não enfrentarmos as dores do nosso passado, elas se manifestaram indefinidamente em nosso presente. Testemunhei em primeira mão como a vida se torna mais fácil quando lidamos diretamente com os desafios e as mágoas que sentimos com os outros. Isso é muito assustador porque corremos o risco de perder relacionamentos quando somos honestos e não reprimimos mais nossos sentimentos. No entanto, estou convencido de que este é um componente necessário para esclarecer nossas mentes e viver uma vida livre de drama.

Carl Jung escreveu que um dos maiores desafios da vida era superar a “mística do rebanho”, que é como ele descreveu nosso impulso de fazer parte de uma tribo. Eu interpreto sua mensagem como significando que, embora sejamos geneticamente programados para nos sentirmos mais seguros com um grande número de pessoas, o autoconhecimento muitas vezes vem à custa de romper com os grupos.

Talvez você perca relacionamentos se for honesto. Talvez você os aprofunde. Independentemente disso, você ficará mais próximo de si mesmo. Acredito que viver na verdade e na transparência literalmente elevar nossa vibração para atrair experiências mais agradáveis ​​para a vida.

A sociobiologia afirma que a motivação para nosso comportamento é perpetuar nossos genes. Mesmo que, como no meu caso, a pessoa não seja atraída para ter filhos, o comportamento que leva a ter filhos ainda é um impulso central. Acredito que seja nossa tendência, mas não nosso destino, sermos movidos por preocupações genéticas. À medida que aprofundamos nossa conexão com nosso propósito espiritual, somos menos controlados por nossos impulsos biológicos.  

O desafio para aqueles que exploram o poliamor é tornar nítido seu próprio desejo por mais. É decorrente de um sentimento de “falta” no relacionamento atual? É uma tentativa de fazer o relacionamento atual de alguém “funcionar” apesar da dinâmica disfuncional? Ou nasce de um desejo de expandir o que já é saudável e real?

O poliamor pode ser usado como uma racionalização para pessoas com comportamento sexual compulsivo. Como qualquer “movimento”, ele contém um enorme espectro de pessoas com uma variedade de diferentes níveis de consciência. Decidi usar o termo “poliamor espiritual” para ajudar a definir uma abordagem para formar um vínculo com mais de uma pessoa motivado por um desejo de crescimento consciente em oposição ao impulso sociobiológico de “mais” que nunca acaba.

Não importa qual abordagem consideramos congruente para nós mesmos, sinto que é importante respeitar os caminhos dos outros. Este é um planeta de diversidade, e quanto mais pudermos permitir que as pessoas façam o que elas se sentem motivadas a fazer (desde que não prejudique os outros), mais podemos liberar nossa própria energia para focar em nós mesmos. Acredito que seria um erro forçar-se a uma forma de intimidade que não seja congruente com seus desejos pessoais. Nem todo mundo é heterossexual, gay, bissexual, monogâmico ou poliamoroso. No entanto, todos esses grupos tiveram membros que afirmam que seu caminho é o único caminho verdadeiro. Precisamos transcender a fixação na forma. Nunca haverá um tempo em que todas as pessoas sejam iguais porque todos nós viemos ao mundo com nosso próprio carma único, nossa necessidade individualizada de lições específicas.

Vamos abraçar a diversidade, e entender que mesmo que o poliamor seja o que desejamos no plano das aulas, não precisamos vê-lo como um caminho superior. Além dos relacionamentos monogâmicos cheios de abnegação, trapaça e repressão, há muitos que são honestos, congruentes e saudáveis. Além de relacionamentos poliamorosos baseados em transparência, compressão e crescimento, existem muitos que são cheios de ego, controle e compromisso. Como nos definimos com rótulos não significa nada em comparação com nossa integridade pessoal. Uma coisa que acredito que todos temos em comum é que estamos vivendo nossa verdade pessoal (se pudermos acessá-la além dos truques e barreiras do ego). Viver nossa verdade pessoal produzirá mais paz pessoal, mais paz relacional e, finalmente, um planeta mais pacífico.

Durante a 4ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL [SSEX BBOX] em 2018 tivemos a participação inédita no Brasil de Tristan Taormino, uma das autoras mais importantes do mundo quando o assunto é não monogamia e poliamor.

Tristan Taormino – Los Angeles
Tristan Taormino é uma escritora premiada, educadora sexual, palestrante, cineasta e apresentadora de rádio. Ela é editora de vinte cinco antologias e autora de oito livros, incluindo OPENING UP: Um Guia para Criar e Sustentar Relações Abertas,  além da série antológica Best Lesbian Erotica. O trabalho, a escrita e os filmes de Tristan são rotineiramente usados ​​em cursos universitários para explorar as complexas questões de relacionamento e diversidade sexual, política e mídia. Como oradora, ela é especialista em uma gama diversificada de tópicos, desde o fortalecimento sexual e sexualidade LGBTQIA+ até não monogamia e feminismo. Ela dá palestras em faculdades e universidades de primeira linha e ministra oficinas sobre sexualidade e relacionamentos em todo o mundo. Ela é apresentadora do Sex Out Loud, um programa de rádio semanal na Voice America Network e dirige uma empresa de consultoria para profissionais de sexualidade.

MONOGAMIA – CAMINHO NATURAL, INSTITUIÇÃO OU HERANÇA COLONIAL?
AMOR LIVRE: MODELOS PARA NÃO MONOGRAMIA

COLUNISTA

van___user_v2

Van Marcelino

[ILE/DILE]

Trans não binarie e queer. Especialista em editorial e infografia pelo Istituto Europeo di Design- IED. COO (Chief Operation Officer) da [DIVERSITY BBOX] consultoria em DE&I e no INSTITUTO [SSEX BBOX] como Diretore e Curadore Adjunte dos projetos e iniciativas, da Marcha do Orgulho Trans da Cidade de São Paulo, Feira Trans de empreendedorismo, inovação e empregabilidade, TransTec Brasil, Conferência Internacional [SSEX BBOX], Pride Labe entre outros. Atuou no mercado das artes por 8 anos em exposições nacionais, internacionais, galerias, coleções particulares e institucionais. Idealizadore e realizadore da “Mostra Internacional Drag king Queer” e do personagem “Drag King Queer” Cidão Furacão e do projeto “Palco para TODES”, onde pessoas diversas podem contar suas histórias e vulnerabilidade de forma segura.
Veja também

Um guia para promover a linguagem neutra e inclusiva em português

Gênero é um text field

Famílias Queer

15º Marcha do Orgulho Trans de Nova Iorque

Assista

No Instituto [SSEX BBOX] realizamos projetos e advocacy que visam destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Nossas atividades tiveram início em 2011, a partir de uma série de webdocumentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Nosso Contato

Copyright ©2023 Todos os direitos reservados | [SSEX BBOX]