COLUNA

Charlie Glickman

[ELE/DELE]

Charlie Glickman PhD é coach de sexo e relacionamentos, educador de sexualidade somática.

Quando a segurança se torna controle

No mundo da tecnologia, frequentemente diz-se que é importante encontrar um equilíbrio entre segurança e usabilidade. Se você tornar suas senhas online difíceis de quebrar, elas também serão difíceis de lembrar. Se você fizer suas senhas fáceis de lembrar, será mais fácil para outra pessoa adivinhar ou descobrir. É complicado encontrar um nível de segurança que faça o trabalho sem atrapalhar. Eu acho que algo semelhante acontece nos relacionamentos.

Sentindo-se Insegure

Segurança é um elemento chave do apego e faz parte da fundação em um relacionamento seguro. É o que permite que as pessoas se sintam confortáveis sendo vulneráveis com seus parceires, e torna muito mais fácil se inclinar para as bordas da zona de conforto e entrar em um espaço corajoso. Segurança também é um elemento essencial do prazer sexual. Quando não nos sentimos segures, é mais difícil experimentar excitação, desejo e intimidade.

É importante notar que estou falando sobre sentir-se segure, o que não é a mesma coisa que estar segure. Em parte, isso é porque não há como garantir 100% de segurança em todas as situações. Cada ume de nós tem um ponto de ajuste diferente para o que “seguro o suficiente” parece, e isso muda em diferentes circunstâncias. Cada ume de nós também tem estratégias diferentes para se mover em direção à segurança quando precisamos. Infelizmente, algumas dessas abordagens podem atrapalhar um relacionamento saudável e feliz. Assim como senhas super complexas tornam mais difícil usar sua tecnologia, algumas das maneiras que as pessoas tentam construir segurança podem tornar mais difícil criar relacionamentos gratificantes.

Um exemplo: se falar sobre sexo traz sentimentos profundos de vergonha ou ansiedade, alguém pode evitar o tópico. Embora isso possa parecer mais seguro no momento, também torna mais difícil para iles navegarem em situações sexuais, estabelecerem limites, pedirem o que querem ou lidarem com diferenças de desejo com parceire. Isso é uma receita para suportar toques desagradáveis e construir ressentimento. Adotar a estratégia de “não falar sobre isso” porque parece mais seguro pode facilmente tornar o relacionamento menos gratificante. Mas mais do que isso, evitar o tópico porque parece inseguro pode levar a menos segurança real.

Existem muitas razões pelas quais alguém pode se sentir inseguro e pode ser difícil distinguir entre eu me sinto insegure e eu estou em perigo. Aprendemos com nossas experiências passadas e nossos cérebros estão constantemente procurando encaixar situações atuais em padrões familiares. A resposta ao medo é poderosa, então quando seu amor faz algo que aciona um padrão antigo, especialmente se você acha que significa que vai ser machucade e/ou abandonade, é fácil acreditar que sentir-se insegure significa que você está realmente em risco. Isso é ainda mais verdadeiro se o padrão antigo que está sendo ativado vem de experiências de infância de trauma.

Quando não nos sentimos segures dentro de nós mesmos, uma das reações mais comuns é tentar controlar as pessoas ao nosso redor. Aquela pessoa que não se sente segura conversando com seu parceire sobre sexo pode mudar de assunto quando ele surge. Ou ela pode envergonhar seu parceire ou ficar com raiva dile e atacar na tentativa de fazer a pessoa parar de trazer o assunto à tona. Ou ela pode fazer piadas, insistir que está tudo bem, então não há necessidade de falar, ou negar que há um problema. Nessas situações, ilas estão tentando criar segurança para si mesmas controlando a situação e/ou seu parceire.

Esses tipos de abordagens muitas vezes parecem uma estratégia eficaz quando a ansiedade ou o medo são altos, e a curto prazo, eles podem até parecer funcionar. Mas também é bem provável que seu parceire se sinta frustrade ou desconectade deles. E dependendo das estratégias que adotam, suas tentativas de controlar seu parceiro podem começar a se transformar em abuso. Muitas vezes, o comportamento abusivo vem de uma tentativa equivocada de criar uma sensação interna de segurança.

Você se sente Insegure quando não está em perigo?

Quando você se sente insegure, é natural querer consertar a situação. Você quer voltar a se sentir segure novamente. Mas quando você diz ao seu parceire, “você está me fazendo sentir insegure” ou “você está me engatilhando”, você pode estar tentando controlar em vez de abordar a questão mais profunda.

Aqui está um exemplo. Um casal de homem e mulher cis, que eu estava treinando continuava brigando porque ele era super flertador. Ele não via isso como inerentemente sexual – ele simplesmente gostava de brincar e flertar, especialmente em festas, mas não tinha intenção de realmente se conectar com mais ninguém porque o relacionamento deles era monogâmico. Para ele, flertar era uma maneira divertida de interagir com as pessoas. Mas sua namorada teve alguns parceiros que a traíram, e em uma situação, ela teve um parceiro que terminou o relacionamento com ela para ficar com a pessoa com quem teve o caso. Ela tinha medo de que o mesmo acontecesse em seu relacionamento atual, e toda vez que ela via seu parceiro atual flertando em uma festa, todas essas preocupações voltavam.

Ela disse a ele que se sentia insegura quando ele flertava com outras pessoas e que queria que ele parasse. Ele viu isso como uma tentativa de controlá-lo e impedi-lo de se divertir. Já que ele sabia que não tinha intenção de realmente se conectar com mais ninguém, ele começou a se sentir ressentido, o que escalou as coisas. Ele queria ser um bom parceiro e demonstrar seu cuidado e respeito, mas quando ela disse “você está me fazendo sentir insegura”, ele resistiu e não conseguiu ouvir a mensagem subjacente.

Existem muitas variações neste tema geral. Algumas pessoas estão tão preocupadas em não criar conflito com seu parceire que, assim que ouvem “você está me fazendo sentir insegure”, elas imediatamente cumprem com o que está sendo exigido. Algumas pessoas ficam com raiva quando se sentem controladas, então reagem atacando. Algumas pessoas são pegas em um loop de vergonha e caem no buraco do coelho de “eu sou um parceire ruim por fazer isso com você”. É fácil para essas situações se transformarem em um jogo de pingue-pongue de gatilhos – a reação de cada pessoa aciona um gatilho na outra, até que tudo escala fora de controle.

Existem duas grandes dificuldades que tornam isso ainda mais complexo. A primeira é que há momentos em que se sentir insegure é um reflexo preciso de realmente estar insegure. Precisamos ser capazes de dizer aos nosses parceires quando algo nos coloca em risco. Por falar nisso, precisamos ser capazes de falar sobre isso quando algo não está funcionando. Nossos sentimentos são como sabemos que algo não está certo, e é importante ouvi-los porque muitas vezes, eles são medidas razoavelmente precisas do que está acontecendo.

O segundo desafio é que sentir-se insegure (ou com raiva, com medo, triste…) não significa necessariamente que algo na situação precise mudar. Você pode se sentir preocupade porque sua filha está indo para a faculdade. Se você deixar seu medo segurar você de volta ou se tentar gerenciar seu medo controlando sua filha, você não está dando a ela a oportunidade de ter a experiência completa de estar na faculdade. Às vezes, precisamos nos permitir sentir insegures sem tentar consertar isso minimizando a emoção (para fazê-la desaparecer) ou mudando a situação (para fazer os sentimentos não acontecerem).

Encontrando o equilíbrio entre segurança e flexibilidade

Voltando aos meus clientes, ela queria que ele parasse de ser tão flertador para se proteger do medo de que ele a deixasse. Mas o que funcionou muito melhor foi eles conversarem sobre as experiências e medos dela, para que ele as ouvisse sem tentar consertá-las, e para ambos encontrarem maneiras de ele dar a ela a segurança que ela realmente precisava. Quando ele entendeu o que realmente estava acontecendo, ele pôde prometer que não iria se envolver com ninguém com quem flertasse. Ele também prometeu passar tempo nas festas flertando com ela e fazendo-a se sentir especial, encontrar maneiras de mostrar seu amor e cuidado por ela com mais regularidade e dizer às pessoas com quem conversava que tinha uma namorada. À medida que ele implementava essas ações, ela se sentia mais segura e conseguia amenizar suas antigas feridas e começar a curá-las. Enquanto isso, ele podia ser ele mesmo, flertador, sem abrir mão de algo que gostava. De fato, eles descobriram que gostavam de flertar um com o outro e isso se tornou uma parte regular de sua conexão sexual e romântica.

Isso exigiu muita coragem de ambos. Ela teve que estar disposta a deixá-lo ver seu medo sem exigir que ele o consertasse da maneira que ela queria. Ela também precisava contar a ele sobre isso sem atacá-lo ou envergonhá-lo. Ele teve que estar aberto para ver como suas ações a afetavam sem se defender. Ambos precisavam ser vulneráveis ​​um com o outre para avançar. E iles tiveram que estar dispostes a ser criatives ao propor soluções possíveis que funcionassem para ambos, e experimentá-las e recalibrar conforme necessário. Isso é muito mais difícil de fazer do que simplesmente fazer exigências, e acabou levando os dois a um relacionamento muito mais sólido e atraente.

Aprender a parar de usar seus medos e seus sentimentos de insegurança para controlar ou manipular as pessoas em sua vida não é fácil. Significa aprender habilidades de resiliência emocional e autoregulação. Significa correr o risco de sentir medo ou desconforto. Significa estabelecer limites sem transformá-los em ultimatos. Significa permitir que outras pessoas vejam sua vulnerabilidade para que você possa encontrar maneiras de avançar, em vez de se reter (e ao seu parceire). E significa arriscar a possibilidade de não haver uma solução que funcione para ambos, o que pode sinalizar o fim do relacionamento. Isso é algo muito assustador, especialmente se as duas pessoas estiverem ativando os gatilhos em ambos. Não é de admirar que tantas pessoas simplesmente recorram a “você está me fazendo sentir insegure e exijo que você pare”.

Mas se você quer ser capaz de se apresentar totalmente em seus relacionamentos e permitir que as pessoas com que você se relaciona façam o mesmo, você não pode usar seus sentimentos de insegurança como uma arma para atacar. Você não pode usá-los para tentar controlar ou manipular as pessoas. Se você está dizendo a alguém sobre suas emoções de uma maneira que faz exigências, sejam elas explícitas ou implícitas, você está usando seus sentimentos para tentar fazer com que a pessoa cumpra seus desejos. Embora possa parecer uma maneira eficaz de criar segurança a curto prazo, isso mina o relacionamento e planta as sementes

Mas se você quer ser capaz de se apresentar totalmente em seus relacionamentos e permitir que seu(s) parceiro(s) façam o mesmo, você não pode usar seus sentimentos de insegurança como uma arma para atacá-los. Você não pode usá-los para tentar controlar ou manipulá-los. Se você está dizendo a alguém sobre suas emoções de uma maneira que faz exigências, sejam elas explícitas ou implícitas, você está usando seus sentimentos para tentar fazer as pessoas cumprir seus desejos. Embora possa parecer uma maneira eficaz de criar segurança a curto prazo, isso mina o relacionamento e planta as sementes do ressentimento. E não há nada que mate um relacionamento mais rápido do que o ressentimento.

Pode ser difícil encontrar melhores maneiras de falar sua verdade sem tentar controlar seu parceire. A maioria de nós não tem muitos modelos para isso. E cada relacionamento encontrará maneiras de ativar suas feridas e sombras, o que significa que você ficará reativo e defensivo sobre algo, mais cedo ou mais tarde. Isso não é sobre ser “perfeito”. É sobre aprender a fazer um pouco melhor, cada vez que acontece, para que você possa sair da roda de hamster de seus hábitos.

Sentindo-se segure o suficiente

Como existem tantos motivos pelos quais cada pessoa se sente insegura em diferentes situações, cada ume de nós tem uma trajetória diferente à medida que avançamos para nos sentir segures o suficiente. Alguns dos elementos que podem fazer parte do seu caminho incluem:

  • Identificar padrões e gatilhos antigos
  • Aprender novas maneiras de pedir o que você quer ou precisa
  • Curar-se de experiências passadas e traumas
  • Obter informações sobre a situação para desenvolver uma avaliação mais realista
  • Construir resiliência em torno do risco e das emoções difíceis (suas e de parceires)
  • Aprender sobre o “Triângulo do Drama” de Karpman e como ele se desenrola para você
  • Sintonizar com a sensação de suas emoções e encontrar novas maneiras de falar sobre elas
  • Descobrir quando e como desacelerar ou pausar e, em seguida, reengajar
  • Aprender sobre o sistema nervoso e desenvolver ferramentas para resiliência emocional
  • Discernir entre limites e ultimatos


Qualquer um desses pode parecer assustador, e muitos deles são processos contínuos, em vez de uma situação de “lidar com isso e pronto”. Por mais desafiador que possa parecer, acho que pode ajudar pensar nesses como práticas para se engajar, em vez de uma medalha de mérito para ganhar e então seguir em frente.

Isso não é algo que você só pode aprender com um livro ou webinar, embora esses possam ser ferramentas importantes. E isso não é algo que você pode pensar ou descobrir. É algo que você precisa sentir ao passar por isso, e para a maioria das pessoas, isso funciona melhor quando há outra pessoa guiando o processo. Como a segurança faz parte do apego e o apego é sobre um relacionamento entre duas pessoas, construir um senso de segurança resiliente dentro do seu sistema pode acontecer mais suavemente com algum apoio externo, seja um treinador, um terapeuta, um grupo de apoio ou um amigo confiável e conhecedor.

No final, chegar a “segure o suficiente” significa ser capaz de se sentir segure em seu próprio sistema, em vez de tentar controlar as pessoas ao seu redor. É um alvo móvel, já que pode mudar à medida que você cresce e avança pela vida. E embora possa parecer muito, tudo o que você realmente precisa fazer é se concentrar no próximo passo. Você ficará surprese com o quão longe isso pode levar você.

Como educador somático de sexo e treinador de relacionamento, quero ajudar você a encontrar novas ferramentas para criar relacionamentos que o apoiem e façam você prosperar. Ofereço sessões presenciais em Seattle, bem como atendimentos por vídeo. Entre em contato comigo para agendar uma sessão para nos conhecermos. Vamos conversar sobre o que está acontecendo com você e como posso ajudar a tornar o sexo e relacionamentos fácil. 

COLUNISTA

Charlie_ssexbbox

Charlie Glickman

[ELE/DELE]

Charlie Glickman PhD é coach de sexo e relacionamentos, educador de sexualidade somática, bodyworker sexológico e palestrante de renome internacional. Ele trabalha nesta área há mais de 30 anos, e algumas de suas áreas de foco incluem sexo e vergonha, positividade sexual, questões queer, masculinidade e gênero, comunidades de afiliação erótica e muitas práticas sexuais e relacionais. Charlie também é coautor do livro “The Ultimate Guide to Prostate Pleasure: Erotic Exploration for Men and Their Partners” (O Guia Definitivo para o Prazer da Próstata: Exploração Erótica para Homens e Seus Parceiros). Em fevereiro de 2023, Charlie completou um processo transformador de accountability. Para mais informações sobre ou para aprender sobre suas sessões de coaching, visite www.makesexeasy.com
Veja também

Pós-ativismo e reapropriação Cultural 

Pelo direito à banalidade e ao erro

Venha de Verde amarelo na Marcha do Orgulho Trans de São Paulo

Convite à uma crítica das identidades

Assista

No Instituto [SSEX BBOX] realizamos projetos e advocacy que visam destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Nossas atividades tiveram início em 2009, a partir de uma série de webdocumentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Nosso Contato

Copyright ©2024 Todos os direitos reservados | [SSEX BBOX]