Kyla Wagener_SITE_SSEXBBOX

COLUNA

Kyla Wagener

[ELA/DELA]

Kyla Wagener é escritora queer e uma amante de audiolivros, artes, queers e insetos.

Visibilidade do corpo de FÊMEA QUEER

 As mulheres cisgênero que se identificam com o feminino, sejam elas bissexuais, pansexuais, queer, assexuais ou lésbicas, podem experimentar privilégios no mundo mainstream que aquelas fêmeas humanas com gêneros menos definidos, como gender queer e não binaries não experimentam. No entanto, dentro da comunidade LGBTQIAP+, a identidade cisgênero queer que expressa o femenino foi amplamente banida. 

Talvez essa exclusão seja alimentada em parte pelo privilégio percebido da normatividade de gênero, mas os homens cisgênero, sejam eles bisexuais, pansesuais, queer, assexuais ou gay que têm uma expressão de gênero muito masculina, não tendem a ser condenados ao ostracismo da mesma forma – e são de fato celebrados a ponto de se tornarem idealizados no mainstream cultura gay. 

A exclusão de mulheres cisgênero dos espaços queer provavelmente pode ser atribuída em grande parte à programação patriarcal que associa inferioridade e fraqueza à feminilidade.

Houve uma reação de mulheres exigindo visibilidade em espaços queer, e Femmes of Power é uma contribuição incrível para esse movimento – publicado em 2008, este livro de fotografias impressionantes, entrevistas e teoria queer explode as suposições tradicionais sobre corpos de fêmea, intersexo, feminilidade e masculinidade.

A fotografia de Del Lagrace Volcano e a escritore Ulrika Dahl viajaram para sete países em sua busca para explorar a noção de feminilidade queer, e masculinidade Drag King. 

https://www.dellagracevolcano.se/

“Fotógrafe internacional Del LaGrace Volcano, ao longo de um período de trinta anos, tornou-se um assunto consistente de variação de gênero, conexão sexual e mutações corporais. Autodenominado como ‘terrorista de gênero em meio período’ e mutação intencional, a fotografia de Volcano encenou o construção de gênero e a rica diversidade de morfologias corporais disponíveis para aqueles que estão realmente dispostos a olhar, de maneiras que ressoam profundamente com – e, além disso, que muitas vezes precederam, influenciaram e reuniram crucialmente – lésbicas, queer, trans e teorias intersexuais. Volcano é excepcional como fotógrafe e pensador ao se preocupar em mostrar o gênero/sexo como altamente performativo e intimamente incorporado. O trabalho de dile, portanto, falou sobre os debates natureza/criação em estudos trans, intersexuais e queer. Na própria jornada de gênero dile, o gênero não é tanto transformado quanto transmogrificado como argumentei em outro lugar, isto é, metamorfoseado constantemente, sua estranheza repetidamente elucidado. Mais do que qualquer outro artista, a obra de Volcano apresentou pessoas queer, trans e intersexuais como sujeitos e não como objetos, uma vez que as imagens dile são criadas por meio de olhares de identificação, afiliação e desejo trocados entre a modelo e o fotógrafo. 

A Volcano abordou a fotografia conscientemente como uma espécie de espelho – uma superfície de plástico rígido para identificação e amor.”   Dr. Jay Prosser 2015

THE DRAG KING BOOK

THE DRAG KING BOOK
Autorretrato, Barba Azul, Londres 1999
1/14
O Livro Drag King

“É impossível separar minha relação pessoal com os pelos faciais da minha história com a cena Drag King que estourou em Londres e ao redor do mundo em meados dos anos 1990. A ideia de me assumir como uma lésbica barbada era aterrorizante e foi só quando fiquei com Simo Maronati que encontrei coragem para deixar tudo sair, as consequências que se danem! Eu também deveria competir no primeiro concurso Drag King de todos os tempos no festival de filmes gays e lésbicos de Londres durante a primavera de 1996. Achei que possivelmente ter minha própria barba poderia me dar uma vantagem muito necessária… estava bem ciente de que eu não possuía um pingo de masculinidade ‘autêntica’. Acontece que eu era o maior perdedor. Minha persona de stripper de couro era um pouco genderqueer em uma época em que ‘realidade’ era a moeda. Mas a partir desse evento começou um novo tempo e lugar queer que incluía clubes Drag King, muita imprensa mainstream, incluindo uma exibição falsa do meu trabalho em Sex & The City e uma viagem gratuita pelo Channel Tunnel para Paris para um bando de Drag Reis. O maior bônus, de longe, foi que Judith Jack Halberstam, (uma acadêmica que já escrevia sobre masculinidade feminina e uma das juradas do concurso) e eu nos tornamos amigas e produzimos THE DRAG KING BOOK juntas nos cinco anos seguintes.”

Agora que mais de vinte anos se passaram, uma nova geração de Kings está no centro das atenções, embora ainda recebam muito menos espaço do que suas irmãs Drag Queens. Muitos dos reis que fotografei nos anos 90 agora vivem suas vidas como homens ou trans depois de achar que o desempenho da masculinidade se encaixa melhor do que as opções que eles viviam. Quanto a mim, continuo acreditando que desobediência, ruptura e desafio às normas de gênero e TODAS as normas são os pilares da produção cultural queer. 

“As imagens neste livro começam a nos tornar visíveis – em toda a nossa glória – sim, em todas as complexidades de nossas irreconciliáveis, sitiadas e magníficas personas queer”, escreve Dahl. Ao longo dos anos, tenho lutado para determinar se acredito que a identidade femme é uma identidade drag. Identidades trans, identidades butch, daddies de couro e Urso, drag kings e drag queens e todas as várias variações da persona drag têm atualmente encontrado lares na terra da estranheza.”

“Para nós, a feminilidade não é fantasia fálica nem padrão, está além da superfície e certamente não espera passivamente para ganhar vida através de um olhar (masculino). Ferozmente intencional, nem objetos nem objetivos, temos coisas para desabafar. Mas falar verdades agridoces para o poder requer bravura peituda e alguns preenchimentos sérios.”

COLUNISTA

Kyla Wagener_SITE_SSEXBBOX

Kyla Wagener

[ELA/DELA]

Kyla Wagener é escritora queer e uma amante de audiolivros, artes, queers, insetos, animais e batatas fritas. Ela gosta de reorganizar os móveis, aparar obsessivamente o cabelo e comer rosquinhas.

Siga nas redes sociais

Veja também

Um guia para promover a linguagem neutra e inclusiva em português

Poliamor Espiritual

Gênero é um text field

Famílias Queer

Assista

No Instituto [SSEX BBOX] realizamos projetos e advocacy que visam destacar a diversidade, inclusão e a equidade sobre os temas de gênero, sexualidade, população LGBTQIAP+, raça, etnia e pessoas com deficiência.

As ações do Instituto incluem apresentar ferramentas, conteúdos educacionais, e soluções estratégicas visando o exercício do olhar interseccional para grupos sub-representados. Nossas atividades tiveram início em 2011, a partir de uma série de webdocumentários educacionais que exploram temas da sexualidade e gênero para promover mudanças sociais com base nos direitos humanos.

Nosso Contato

Copyright ©2023 Todos os direitos reservados | [SSEX BBOX]